//15 – DE VOLTA AO BRASIL

15 – DE VOLTA AO BRASIL

Calma! A terceira expedição depois do trabalho ainda não esta terminando. Voltamos para o Brasil para ir até os Correios, pegar nosso brinde, do primeiro patrocinador do nosso projeto.

Como estávamos nas Termas de Arapey, noroeste do Uruguai, a 170 km de Uruguaiana, marcamos para receber a encomenda nos Correios da cidade. Chegamos nos Correios para pegar nossa encomenda e, como não havia chegado, fomos dormir no Sítio Arco Iris.

Não! Não é o Sítio Arco Iris nosso patrocinador, mas esta história eu conto mais abaixo.

O nosso primeiro patrocinador em tempo integral, para toda expedição dos gelos do sul aos gelos do norte é uma empresa dos Estados Unidos, com sede também no Brasil, que nos ofertou dois chips com dados ilimitados de internet para todos os países que pretendemos visitar.

A SkillSIM é uma empresa licenciada nos EUA e no Brasil, com contrato de cobertura com a T-MOBILE / AT&T, entre outras operadoras espalhadas pelo mundo.

O plano era pegar a correspondência e seguir para Argentina, nosso próximo destino.  A encomenda ainda estava em São Paulo e os Correios alegaram que havia falta de funcionários e tudo estava atrasado por conta do carnaval. Ultimamente ouço muitas reclamações dos Correios, que já foi orgulho dos brasileiros nos áureos tempos. Agora está quase sempre ligado a incompetências, deficiências com atrasos e indícios de corrupção na administração.

Era nosso orgulho.

Dois dias depois, rastreando nossa encomenda, descobrimos que havia chegado nos Correios de Uruguaiana. Partimos de vez do Sítio Arco Iris (já falo sobre ele), pegamos nossa correspondência e partimos para novos quintais.

Nosso agora, parceiro de viagem SkillSIM é na verdade, a solução para quem viaja e não quer ou não pode desgrudar da comunicação eletrônica. Quem viaja para fora do Brasil pode adquirir o chip no site da Empresa, com internet ilimitada, navegando sem aquela preocupação no final do mês. Os valores dos pacotes são definidos para evitar surpresas na hora da fatura. Visite o site na SkillSIM e conheça em detalhes os benefício disponíveis.

Olha eu e Ade virando garotos propaganda

Espero ter mais patrocinadores, mas sempre com uma condição: que as obrigações profissionais do depoisdotrabalho.com.br, não tire meu prazer e o da Ade de aproveitar tudo na viagem e que não impeça de compartilharmos nossa rotina pensando em inspirar pessoas.

Com a SkillSIM, a nossa contra partida será fazer comentários sobre a eficiência da abrangência do sinal de internet por onde passarmos. Até agora está perfeito, com a excelência no atendimento das meninas da SkillSIM no Brasil e com o sinal na cidade de Paraná, na Argentina. Este o primeiro post editado com o sinal da SkillSIM. Depois eu conto mais.

Voltando à nossa rotina de nômades

No caminho de volta ao Brasil, paramos na cidade de Bela Union, onde existem vários shopping de livre comércio, com tudo de importados, com preços fixados em dólar.

Compramos vinhos, chocolates, chás, bebidas, perfumes e um novo fogão elétrico, pois o nosso não resistiu ao 50hertz do Uruguai e queimou. No Brasil o padrão é 60hertz.

Paramos numa praça, ao lado do Rio Uruguai, Ade fez nosso almoço, como sempre uma delícia e seguimos rumo à Pátria Amada em busca do nosso brinde.

de volta ao Brasil

Chegamos em Uruguaiana e seguimos para o Sítio Arco Iris, uma área de lazer para famílias, por indicação de um rapaz que conhecemos em Bela Union. Sem o endereço preciso, fomos perguntando até encontrar. Já na entrada reparamos a beleza do lugar.

Ficamos felizes.

Tudo muito bem organizado e limpo, com diversas opções para o descanso e lazer, com lagos, piscinas e muitas árvores, um sonho de sítio que muita gente deseja ter.

Chegamos e o Paulo veio nos atender. Falamos que queríamos pernoitar e ele disse que ali não era uma área para hospedar motorhome.

Ficamos tristes

Depois de alguns minutos de conversa, o Paulo aceitou nos hospedar e ofereceu dentro do sítio dois excelentes lugares onde poderíamos estacionar e nos instalarmos para passar a noite. Mesmo assim ele se desculpava por não ter estrutura para motorhome. Até a Caca ficou de boca aberta.

Ele tratou de tudo. Nos instalou próximo de uma torneira com água potável do seu poço artesiano e cedeu uma de suas tomadas de energia para ligarmos nossa casa, ao lado de um dos lagos com mini Vitórias Régias. Falando em mini, Paulo também cria mini vacas e mini touros, que pela manhã, quando acordamos, estavam pastando junto à nossa porta.

Como já era tarde, tomamos banho e fomos dormir. No dia seguinte Paulo veio com seu chimarrão nos dar bom dia e perguntar se tudo tinha ocorrido bem. Claro que sim, agradecemos mais uma vez, conversamos durante um bom tempo e ele nos deixou totalmente à vontade no quintal da sua casa.

Pela manhã começaram a chegar pessoas para passar o dia no belo Sítio Arco Iris e, vez ou outra, um se aproximava para conhecer a Caca e lá se iam muitas conversas.

Vieram dois rapazes, conversaram, conheceram nossa casa e na hora de dar a partida no carro de um deles, não funcionou. Emprestei meu cabo de bateria e tudo ficou resolvido. Quando queriam partir, surgiu na conversa que um deles é engenheiro eletricista, tal qual nosso filho, e que também é engenheiro de Segurança do Trabalho, profissão que exercitei na Copel e eles ficaram mais um pouco.

Bom papo entre belas paisagens… não tem preço.

Na hora do almoço chegou um senhor, como quem não quer nada, foi se aproximando e começamos outra boa conversa. Ele nos convidou para almoçar com eles, mas nós envergonhados, pensando em não atrapalhar, agradecemos o convite e não fomos.

Mais tarde ele voltou com sua esposa, trazendo um prato cheio de coxinha da asa do franco assada e se foi mais um longo papo.

Esperamos as famílias de amigos almoçarem e fomos visitar-los no caramanchão onde estavam instalados. Ali foram muitas conversas, muita risada numa amizade que parecia de tempos.

Você sabe o que é caramanchão?

É uma casa sem paredes com uma pia, balcão, churrasqueira, mesa e cadeiras, que são alugadas para os que chegam no Sítio Arco Iris. Normalmente o caramanchão é construído em áreas de matas ou jardins.

No final da tarde, quando as famílias já se preparavam para ir embora, um deles perguntou ao Paulo se ele tinha daquele porco ainda no freezer. O Paulo respondeu que sim e decidiram fazer um jantar de última hora para celebrar as novas amizades que acabaram de fazer, mas que já pareciam velhos amigos.

As mulheres não gostaram muito da idéia, queriam ir para suas casas até que Ade perguntou: O que vocês vão fazer em casa? Uma disse que iria ver TV, outra disse que o marido iria dormir e roncar, outra disse que não ia fazer nada.

Ade então disse que a vida é uma só e temos que aproveitar os bons momentos. Como num passa de mágica, todas toparam ficar, sentaram, fizeram mais um chimarrão e ficaram conversando até que nós homens preparássemos o jantar. Até Ade tomou chimarrão.

O porco congelado não foi resistência. Em posse de facões, serras e pancadas, descongelamos a carne que foi para a panela, sob o comando do alegre e feliz Jair. Eu digo “nós” por que eu fui auxiliar em tudo que precisava para fazer o jantar.

Na hora de colocar o sal, Jair falou que eu deveria fazer a pitada. Eu disse que não tinha noção do tanto que seria uma pitada e ele dizia:

é a sua pitada

Assim eu fiz e coloquei um bom tanto de sal naquela panela de ferro com a carne já começando a fritar. O próprio Jair fez o arroz e as mulheres levantaram um pouco para temperar uma deliciosa salada de radite, que por aqui chamam de “raditche”.

Antes de começarmos a comer, fizemos uma oração com o Pai Nosso para agradecer o alimento e celebrar as novas amizades Estava muito deliciosa a comida e me faltam as melhores palavras para falar da amizade e da alegria nossa de estar ali com aquelas pessoas.

Terminada a refeição, Ade buscou um vinho do Porto que estava em nossa casa e todos provaram daquela delicia portuguesa, vindo direto de Lisboa, presente de nossa amiga Isa.

Ade falou sobre o vinho, os costumes que aprendemos em Portugal e todos provaram, alguns não conheciam. Ficamos ainda um bom tempo numa conversa mega agradável com gaúchos que não precisam aprender mais nada para receber e fazer amigos.

Uma das noites apresentamos nossa mini churrasqueira para o Paulo, que veio jantar com a gente e mais longos papos transcorreram durante horas.

Antes de partirmos, gravei um CD com fotos que tirei do Sítio e entreguei ao Paulo. Quando fui pagar, quem disse que Paulo quis receber. Apesar de minha insistência, ele não pegou o dinheiro e, por maior valor que ele cobrasse a diária, seria pouco diante de tanto prazer e satisfação que tivemos nos três dias que lá ficamos, desfrutando de um verdadeiro pedaço de paraíso, visto de cima.

Nosso mais profundo agradecimento ao Paulo, proprietário do Sitio Arco Iris e aos amigos do Paulo que nos receberam e se tornaram parte de nossas mais queridas lembranças.

Para quem vier a Uruguaiana, não deixem de visitar o impecável, lindo e organizado Sítio Arco Iris, na BR 290  km 709, 10 km antes de chegar em Uruguaiana, vindo de Porto Alegre. Mande recado no WhatsApp do Paulo Cavalline

055 99927 9353.