//4 BÚZIOS – RJ

4 BÚZIOS – RJ

Não visitamos Niterói que não soube nos receber ontem. Saímos cedo do motel, abastecemos e saímos rumo a Búzios.  Passado uma hora de viagem começamos a reparar a beleza da região norte do Estado do Rio de Janeiro, com lagos e montanhas.

Chegamos em Búzios, no centro de turismo, pegamos mapas e indicações de hotéis e pousadas. Um guia insistiu em ajudar e nos mostrou pousadas ruins. Procurando com a ajuda do GPS, encontramos uma bela pousada com oferta de fora de temporada a 170 reais.

A cidade é bem agradável com vários restaurantes, muitas lojas, bares, boates, calçadão e uma rua de pedras.   Jantamos peixe. Aqui, como em Ilhabela, terra de pescadores, o peixe é o mais caro dos pratos. A praça principal tem Wi-Fi.

Arrumamos a mochila, tomamos café e saímos na caminhada de reconhecimento pelo centro e pelas praias com areias, ora amarela ora rosa quase vermelha. Em alguns locais a água vem com fragmentos de rocha com  um brilho que parecem farelos de pedras preciosas.

Atravessamos por várias rochas perigosas. São ásperas, pontiagudas, lisas, inclinadas, tem pequenos precipícios, espinhos na vegetação e longos trechos até a próxima areia.

Paramos na última praia, 100 metros de areia com  barzinhos em forma de barco. Comemos ostras e ficamos  horas conversando, sentados em cadeiras limpas e confortáveis, pisando na areia amarela. É possível ir de praia em praia de taxi pela água.

Em Búzios fica a principal colônia de argentino no Brasil. Vieram aos poucos e hoje são muitos que vivem neste pedaço de paraíso nosso. São donos de restaurantes, pousadas, bares, artesanato, vendem passeios, oferecem cadeiras na praia e como turistas estão por toda parte.   Dois argentinos que vieram passear e não voltaram mais, trabalham nos bares de barco. Um deles veio com a namorada, ela voltou e ele ficou. Outro nos contou que passa o verão na Argentina, criando cavalos para esportes, vende na Inglaterra, ganha dinheiro e passa o inverno em Búzios. Outra casou com brasileiro e são donos de pousada e a família também já veio.

Mochila preparada rumo as praias e trilhas.  Perguntando e descobrindo novos caminhos, andamos 16,8km (no celular tem um aplicativo que mede a distancia, quantidade de calorias, tempo e o mapa do caminho chamado RunKeeper), As pessoas não informam os caminhos direito e não tem espaço para o pedestre nas ruas. Da Praia Ferradurinha fomos para a Praia dos Amores pelas pedras  areia e pela mata fechada com trilha sem marcação até a Praia da Ferradura.

Voltamos, compramos uma caixa no correio para despachar alguns excessos da bagagem e um polvo de espuma costurado numa luva para os movimentos com as mãos (vendido por uma argentina na praia) e mandamos para a Sophia.

Correntinha no tornozelo, tatuagem temporária e colarzinho. Vamos adotar adereços e roupas das regiões por onde passarmos. As pessoas enfeitadas usam colorido.

Atravessamos por várias rochas perigosas. São ásperas, pontiagudas, lisas, inclinadas, tem pequenos precipícios, espinhos na vegetação e longos trechos até a próxima areia.

A natureza aqui é previlegiada mais as pessoas poderiam melhorar na receptividade aos visitantes.

Jantamos comida japonesa média no sabor, alto do preço e mínimo no atendimento. Foi até engraçado as atrapalhadas deles. Uma loira mandona, um garçom novato e uma argentina com português pouco entendível.

Cansados da caminhada de ontem hoje foi caseiro. Assistimos o Brasil perder a medalha de ouro no futebol  para o México e o volei para a Rússia.

Fomos conhecer as boates e um bar de excelente Rock com uma banda e um cantor excelente.

Hoje é dia dos pais. Recebi homenagens da Adenilde, da Paula e do Hugo. Ligamos para o pai da Adenilde.

Fomos passear em Cabo Frio e Arraial do Cabo. Belas praias e muitas novas construções.

Fomos para a praia ficar deitados assistindo o por do sol  ao lado de Brigite Bardot, homenageada pela cidade com uma estátua, por ter vindo a Búzios algumas vezes.

Fomos jantar, uma voltinha pela praça, voltar para o hotel e arrumar as malas para a viagem de amanhã.

Veja o filme de Búzios.

Búzios. Um lugar para voltar.
[/fusion_text]

Rio de Janeiro