//6. Campismo, pra que te quero?

6. Campismo, pra que te quero?

Dentre as diversas formas de campismo que existe, destaco as realizadas em casas sobre rodas. Quem tem motorhome, motorromeiro, tem sempre muita história para contar.

Grupos organizados em associações ou ao simples comando de um do grupo, lá estarão reunidos amigos em diferentes quintais.

Esta é a grande paixão.

Mudar de quintal quando quiser envolve uma série de cuidados e tarefas, que devem ser previamente planejados. Mudar de quintal requer o perfeito funcionamento do carro e uma casa bem equipada, que proporcione:

Segurança, Conforto e Beleza

Muitos motorromeiros preferem viajar só com seu carro e sua família, mas na verdade só é somente na viagem, na estrada, se deslocando. Quando está parado, amigos brotam ao redor e a cada dia acontece uma história para ouvir e para contar depois.

Pelos amigos surgem muitos convites para reuniões de motorromeiros, organizadas para contar história, saborear boa comida e morar um pouco num belo quintal. São encontros de vários dias onde a amizade fácil, o companheirismo, a alegria, atividades sociais, lugares bonitos e confraternização, estão incluídos no cardápio.

Fomos convidados para uma reunião de amigos campistas, que se deslocam sobre rodas, muitos vivendo como nômades temporários, com um projeto a ser conquistado. Lá estavam pessoas que já conhecíamos e várias outras que fácil e gratuitamente, se tornaram nossos amigos. Parecemos até “velhos amigos”.

La encontramos pessoas que já conhecíamos pela internet, pessoas nômades temporários, que realizam projetos estruturados e compartilham na internet.

Quem estava lá?

No encontro em Ponta Grassa, estavam famílias que preferiram deixar o lar-doce-lar e pegar a estrada em viagens nômades pelo mundo afora, por longas distancias e sem limite de tempo. Viajam para realizar uma imersão cultural, para participar como voluntários, conhecer festivais, culinárias, paisagens, costumes, ser voluntário ou simplesmente pelo gosto de viajar.

Ouvimos um pouco da história de cada um e contamos a nossa, ficando ainda mais encantados com a vida que estamos levando. As experiências já vivenciadas enriquecemos nossa forma de gestão dos sonhos.

Além daqueles que viajam mas ainda precisam voltar constantemente, estavam A  Família pelo Mundo, Colorindo o Mapa Acqua Mundi, dentre outros nômades temporários que passam por todos os Continentes. Alguns já escreveram livros e fazem palestras sobre suas aventuras planejadas.

O encontro ou reunião de pessoas com estilos de vida aparecidos, terminou com a foto de todo grupo, cheios de vontade de participar brevemente do próximo encontro.

Eu e Ade estamos gostamos de viagens de longa duração, mas também estamos adorando as viagens de curta duração, especialmente os encontros de motorromeiros.

Encontro de Motorhome em Pomerode.

Pomerode é uma pequena cidade em Santa Catarina, conhecida como “A cidade mais alemã do Brasil”. A maioria da população tem descendência alemã, da região de Pomerânea. Na bagagem trouxeram, além da boa vontade de explorar a agricultura e a pecuária, mais dois idiomas que se juntaram ao português, o pomerano e o alemão.

O portal da cidade é uma cópia de um que já existe em Estetino, capital da Região Pomerânea.

Existem vários clubes organizados para estimular o campismo. Em quase todos os estados tem um grupo. No começo de cada ano os presidentes dos clubes se reúnem e organizam um calendário anual, com encontros previstos para todos os meses. O Encontro de Pomerode é um dos mais esperados, onde se reúnem mais de 500 motorhomes, com mais de 1200 pessoas, de diferentes regiões com diferentes equipamentos de moradia.

Os organizadores se ocupam em atividades para o entretenimento e alimentação dos motorromeiros. A cada dia um cardápio diferente com comidas regionais e a noite baile, quase sempre ao estilo gaúcho.

Tem também brincadeiras de campo, como serrador de tronco, cabo de guerra, caminhadas e visitas coletivas às atrações da região para compras e passeios.

Vale o registro deste belo pássaro verde que nos visitou e ficou bem à vontade em nossa cozinha. Entro, olhou tudo, esperou eu tirar foto e foi embora.

Saímos do Encontro em Pomerode e seguimos para Balneário Camboriú, aproveitando um novo quintal. O camping é um bom local para fazer amizades e fazer comidas. Além dos costumeiros churrascos, dá tempo de praticar os dotes culinários com guloseimas artesanais, especialmente da Ade, mas eu ajudo.

Frequentar diferentes e marcantes ambientes, com tempo disponível para inventar atividades fora da rotina, nos leva a uma sensação de plenitude e de alegria. Isto é campismo.

Receita de felicidade