//79 – ALHAMBRA – ESPANHA

79 – ALHAMBRA – ESPANHA

Chegamos em Alhambra, a cidade palaciana no alto de uma colina, muralhada, construída pelos muçulmanos, durante a dinastia do Profeta Maomé, no século 12.  

O local é uma fortaleza que alojava monarcas, hoje uma importante atração turística da Espanha.

 

 

 

Compramos os ingressos pela internet, com hora marcada. Tem sempre muita gente visitando o local. 

Entramos pelos belos jardins e conhecemos cada um dos famosos palácios de Nazaríes.



A riqueza arquitetônica poderia ser perfeitamente classificada como uma das maravilhas do mundo. 

Um dos palácios é uma obra de arte gigante, com paredes de pedra e madeiras nobres, esculpidas como rendas, detalhes que encantam aos olhos.


Alhambra foi salva pelo cabo José Garcia. Conta a lenda que as tropas de Napoleão, aquele bandido que ainda hoje é venerado, deixaram vários barris de pólvora para explodir a cidade. O cabo Garcia foi quem apagou o pavio antes da explosão, deixando esta maravilha para encantar turistas de todo mundo.



Em nossa viagem já conhecemos vários castelos e palácios pela Europa, mas Alhambra merece um destaque, um não, vários. Primeiro a organização das visitas com horários marcados. Segundo pela perfeita preservação do local. Terceiro pelo roteiro muito bem sinalizado, onde as placas nos levam a todas as atrações, pelos caminhos mais curtos.



Cada canto inspira uma fotografia. Foram centenas de poses, com sorriso no rosto, esbanjando a felicidade de estar naquele lugar, construído por hábeis mãos abençoadas de escravos que trabalharam dia e noite até sua conclusão.

 

 

 


Muito nos encantou também foram as leves tempestades de neves que se alternavam com o sol, fazendo do nosso passeio um turbilhão de emoções.


 

Sob a neve cada vez mais intensa, subimos em uma das torres do complexo, de onde se tem um vista privilegiada de toda a região.

 

 

 

 

 


Eu, Ade, Isa e Neuza,  ficamos de boca aberta com tanta beleza e também para comer neve. Cansados, felizes e agradecidos, repetimos várias vezes “Obrigado meu Deus por este passeio maravilhoso”. 

 

 

 

 


Deixamos os palácios naquele dia abençoado, que tantas alegrias nos proporcionou, com as artimanhas do tempo e a mais apurada qualidade da arte na arquitetura.

 

 

 

 

Pegamos a estrada com a neve ainda cobrindo a plantação e partimos para novas aventuras na Península Ibérica. Detalhes no próximo post.