//PLANO

PLANO

 

Existe vida depois do trabalho?

Esta é uma pergunta que não cala na boca de muitos que trabalham como empregados e patrões, com salários e retiradas mensais. O que fazer na aposentadoria? Quando ela pode ou deve chegar?  Tais respostas alimentam a busca dos sonhos e são dúvidas que expõem medos e desculpas sobre o que fazer quando a velhice chegar.

SIM, existe vida depois do trabalho!

O ideal é estar sustentável e conquistar a condição de não mais precisar do trabalho formal como fonte de renda. Poucos se dedicam a planejar a “terceira idade”, ou “melhor idade”, ou “derradeira idade”, depois dos 55/60 anos de vida. É o tempo para a realização dos sonhos ainda não realizados.

 

“Quando eu podia, eu não podia. Agora que eu posso, eu não posso”.

Esta frase eu ouvi na Boca Maldita, lugar lendário em Curitiba e foi dita por um senhor bem sucedido, já com 84 anos. A frase martela a mente de muitos, quando percebem que o sopro da vida se esvai.

Como não cair nesta armadilha!

A vida é suficientemente longa para realização dos sonhos e afazeres. A regra conhecida é viver cada dia como se fosse o último, até o último.

Elaborar planos

Entrando na “melhor idade”, já fora do trabalho formal, muitos se dedicam ao lar e à família, outros cultivam hobbies, outros começam novos negócios, outros só querem pescar, outros se mudam para a praia, compram um sítio, outros viajam e tantos outros caem na armadilha de assumir um lugar no sofá e operar o controle remoto, até acertar o último dia.

Depois do trabalho é a sua última chance.

Entrando na “melhor idade” começa a última chance, os últimos 10/15 anos restantes para realização dos sonhos acumulados.  Até o últimos dia chegar, gradativamente a vida priva sonhos de aventuras.  Depois do trabalho a vida pode e deve ser de qualidade e felicidade. Um bom caminho é viver cada dia da melhor maneira e não ficar “sentado no trono de um apartamento esperando a morte chegar…” se permitir ficar estacionado na beira do caminho, assistindo ao próprio enterro e fazendo da farmácia um supermercado.

Não basta deixar a vida te levar, é preciso e possível conduzi-la, escolhendo e criando caminhos bons, felizes, saudáveis e sustentáveis. Um bom plano de vida para a manutenção de “corpo são” e da “mente sã”, ameniza o envelhecimento mas não a fatalidade da natureza.

Com o tempo não podemos negociar.

Eu sempre desejei estar na estrada viajando, conhecendo novas pessoas, fazendo parte de novas paisagens, desfrutar a liberdade de ir e vir onde e quando quiser. O sonho de Ade é estar onde tenha sol e ter uma casa com quintal, fogão à lenha e muitas plantas. Eu querendo viajar e ela querendo um quintal, nos levou a sonhar com uma vida nômade, mudando o endereço, buscando sempre o melhor quintal.

É preciso coragem para realizar sonhos?

A coragem é fundamental para provocar mudanças na zona de conforto de cada um, no entanto, é a confiança que fornece o alicerce da realização.

A confiança se adquire com planos bem elaborados, com base primeiro na imaginação. Depois vem as planilhas, os cálculos, as estimativas, os prazos, os investimentos, as datas e a transformação dos sonhos em projetos.

Eu e Ade sempre gostamos de viagens. Todos os anos realizamos pequenas viagens durante as férias e feriados prolongados e nunca deixamos morrer nosso sonho de viajar muito depois que eu me aposentasse. O tempo passou e o dia esperado chegou. Solicitei a aposentadoria conforme as regras oficiais e nosso projeto estava pronto para se colocado em prática.

Desde de a etapa dos sonhos, eu e Ade sempre partilhamos sonhos e planos para viabilizar um projeto para 10 anos de viagens. O objetivo é estar nas lindas paisagens, fazer amizades, conhecer culturas, aprender idiomas, sentir aromas e provar sabores diferentes.

Foi neste cronograma que espelhamos nosso primeiro sonho e começamos a viabilizar os recursos. Depois as mudanças foram acontecendo naturalmente e surgiram novas viagens e afazeres.

 

O planejamento é a etapa seguinte, depois do sonho.

No planejamento de nossas viagens aplicamos métodos de gestão já conhecidos e muita disciplina. Anotamos tudo antes, durante e depois de cada partida e de cada chegada. Copiamos/colamos, consideramos a experiência de outros viajantes e desafiamos sempre a nossa criatividade. Com planilhas e anotações nosso sonho foi ficando real, visível, alterável, alcançável, organizando assim, nosso projeto de vida para depois do trabalho.

Na execução do plano, definimos uma regra geral para nossas viagens:

  1. Seguir o roteiro, se não surgirem novas opções
  2. Se a escolha do local for boa ficamos, se não, replanejamos e seguimos até o próximo destino
  3. Não permitir que a saudade das nossas origens interfira tanto no prazer da expedição.

Planilhas, listas e cronograma são inquestionáveis ferramentas para espelhar um bom planejamento de viagens. Com elas podemos prever:

  1. locais que queremos visitar
  2. distâncias a serem percorridas
  3. pontos de interesse no roteiro
  4. histórias, leis, costumes e documentos obrigatórios
  5. providencias antes, durante e depois
  6. relação das necessidades
  7. valores a serem investidos
  8. cálculos por dia, por mês, por ano e da viagem toda
  9. organizar os recursos financeiros e materiais
  10. deixar organizado o lar-doce-lar e os compromissos legais

Medir para não ficar à deriva

Estas foram as primeiras planilhas utilizadas, bem amadoras. Depois evoluiu um pouco, mas os princípios permaneceram. Anotações diárias e fechamento mensal, anual e da viagem toda, orientam os rumos.

 

O investimento em viagens é certeza de pagar e sair ganhando.

Este foi o primeiro check list dos afazeres e do que levar para viagem de motocicleta pelo Brasil.

Começamos com viagens de curta duração ainda em 2011 e em 2012 iniciamos nossa primeira expedição de longa duração. Alguns diziam ser loucura, outros deram todo apoio e pediam para gente mandar notícias. Um dia nosso filho Hugo disse: “O carteiro vai ter trabalho para encontrar vocês”. Pensando nisso, na necessidade de manter o vínculos com as pessoas que amamos, surgiu a ideia de usar a internet para informar “onde estamos”, “o que estamos fazendo”e “para onde vamos”.

 

Por sugestões de amigos e também por acharmos uma boa idéia, decidimos compartilhar nossas aventuras com os interessados, registrando nossa rotina pela internet. Assim surgiu minha primeira experiência como aspirante de blogueiro. Mesmo sem entender muito de informática, busquei conhecimento, criei contas nas redes sociais e lancei o primeiro blog para narrar e ilustrar nossa viagem de motocicleta pelo Brasil e depois outro blog para a viagem pela Europa.

Os dois blogs deixaram nossas histórias separadas, em diferentes endereços na web e agora, fui eu aprender um pouco mais de como ser blogueiro, criando e mantendo este novo site, juntando nossas expedições de longa duração em um mesmo endereço. Assim está surgindo o depoisdotrabalho.com.br, para deixar registrados os nossos sonhos, nossos planos e nossas realizações, já não somente para manter o vínculo com quem amamos, mas também para inspirar outras pessoas que sonham em realizar sonhos de viagens.

 

Começou a alegria da realização dos sonhos e a incansável produção de fatos, fotos e filmes para descrever e ilustrar nossa rotina pela internet. Dá muito trabalho, especialmente para leigos, mas não é impossível.

NOS PLANOS, DEUS ESTARÁ SEMPRE CONOSCO, POR ONDE PASSARMOS E NO QUE FIZERMOS.  NOSSO AGRADECIMENTO É TOTAL PELA OPORTUNIDADE DA REALIZAÇÃO DESTE SONHO.

 

Quem somos?

Adenilde e Mauricio Rocco, casados em 1983, vivendo juntos e inseparáveis todos os dias, sonhando sempre com um futuro ideal. Primeiro filho homem, segundo mulher, nós fez sentir já um tanto quanto realizados. Novos planos sempre surgiram e fomos conquistando um a um. Enquanto eu trabalhei fora para conquistando recursos, Ade se dedicou completamente na formação da família, criando eu e nossos filhos com um modelo exemplar.

Os filhos cresceram e vieram os netos, consagrando ainda mais nossa família. Agora, que alcançamos a melhor idade, depois dos 55/60 anos, aqueles nossos sonhos de criar asas e voar por novos caminhos estão se tornando reais. Estamos conquistando cada vez mais os sonhos que sonhamos um dia. Eu aposentado do emprego formal e os filhos com seus próprios caminhos, fez diminuir um pouco as atribuições de Ade, assim podemos dizer que eu e Ade somos donos do nosso próprio tempo, abrindo portas e janelas, seguindo rotas sem a preocupação de chegar ou ter o dia marcado para voltar. Começamos nossas viagens de longa duração, encarando a sério mais um compromisso como suas obrigação. Ninguém poderá faze-las por nós. A nossa responsabilidade agora é voar e pousar onde nosso desejo assinalar.

Próximo post: SER NÔMADE