prevence.rocco@gmail.com

5 CACHOEIRO DO ITAPEMIRIM – ES


Pela estrada afora, em Campos dos Goytacazes perdemos uma capa de chuva e logo em seguida começou a chover. Paramos, esperamos, conhecemos um aquário com um Pirarucu gigante, 1,85m e vários outros peixes. É um ponto de criação e venda de matrizes de peixes nobres.

Chuva intensa e perigos constante  deixamos a BR 101 depois de passarmos por um caminhão atravessado na pista. Como havia sinais de sol ao leste, mudamos o trajeto.  Fomos pela Rodovia do Sol, paramos em algumas pousadas horríveis e chegamos em Marataizes, pernoite em um hotel a beira mar. Molhados e sujos da estrada, tomamos um bom banho, jantamos moqueca capichaba e fomos dormir as 8.

Marataizes com chuva fomos comprar capa e seguimos para Cachoeiro do Itapemirim.  Hotel de frente para o rio de onde se vê o pico de Itabira com formato  gigante da montanha. Seria por causa deste pico que a cidade se chama cachoeiro e não cachoeira do Itapemirim?.  Talvez seja a única cidade macho no mundo.

Visitamos a casa do cantor Roberto Carlos, que apesar de mal cuidada causou emoções, inclusive no Miguel, nosso cunhado, que é um apaixonado  incondicional pelo rei da Jovem Guarda. Diz a Nice que ele viu a foto do quarto onde o Roberto Carlos  nasceu e chorou, mesmo estando em Camboriú, com as fotos postadas no face pela Ade.

Dizem os moradores que ele já tentou ajudar a cidade fazendo shows, revertendo a verba para obras sociais e o dinheiro nunca chegou onde deveria. Ficamos na sombra do famoso flamboyand no quintal da casa. A prefeitura arrumou e construiu melhorias com motivos musicais na rua em frente da casa. Certamente depois da morte dele a valoração do local será muito melhor. Pode bater na madeira por que Roberto Carlos é imortal.

 .
  .
  .
  .
  .

Casa dos bragas onde nasceu e morou Rubem Braga, renomado escritor brasileiro.  Também abandonada apesar de ser a biblioteca da cidade.  O acervo dele esta todo empacotado esperando uma reforma.

Casa dos bragas onde nasceu e morou Rubem Braga, renomado escritor brasileiro.  Também abandonada apesar de ser a biblioteca da cidade.  O acervo dele esta todo empacotado esperando uma reforma.

Caminhamos pela cidade movimentada calçadas pequenas, muita sujeira nas ruas, transito nervoso, morros com casa boas mais com impressão de favelas. A cidade é a capital das pedras granito e mármore.  Estão por todo lado. Nos pisos e paredes do hotel, do restaurante, do mercado e nas calçadas. Caminhamos, compramos queijos, salame, tomate, alface e castanhas para comer no hotel. Arrumar senha da Apple foi um saco,  conseguimos.

[/fusion_text][fullwidth backgroundcolor=”” backgroundimage=”” backgroundrepeat=”no-repeat” backgroundposition=”left top” backgroundattachment=”scroll” video_webm=”” video_mp4=”” video_ogv=”” video_preview_image=”” overlay_color=”” overlay_opacity=”0.5″ video_mute=”yes” video_loop=”yes” fade=”no” bordersize=”0px” bordercolor=”” borderstyle=”” paddingtop=”20px” paddingbottom=”20px” paddingleft=”0px” paddingright=”0px” menu_anchor=”” equal_height_columns=”no” hundred_percent=”no” class=”” id=””][fusion_text]Com chuva, fomos até o pé do pico. É enorme e tem piscinas naturais no pé do morro.  Veja o filme de Cachoeiro.

[/fusion_text][fusion_text]

 



[/fusion_text][/fullwidth]

Tags:,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *