//45 – COLLODI – ITÁLIA

45 – COLLODI – ITÁLIA

 

 

Verdade. Fomos conhecer a terra do Pinóquio.  Até chegarmos, passamos por um bela estrada, com várias pequenas vilas encantadoras. 

Em uma delas, Ade pediu para parar pois avistou uma loja com artigos para cozinha e encontrou uma variedade de utensílios a um preço justo. Além do bom preço e das boas peças, foi uma conversa agradável com as duas atendentes da loja, nos divertimos.

Seguimos até chegar em Collodi, cidade onde está o “Parco di Pinocchio”, aquele boneco feito de madeira, esculpido pelo carpinteiro Gepeto, que criou vida e toda vez que contava uma mentira, seu nariz crescia. Como ele sempre criava estórias com sua mente infantil, seu nariz quase sempre estava grande.  Acho que todos conhecem a história.

O personagem foi criado por Carlo Lorenzine detto Collodi, que nasceu em Péscia, ao lado de Collodi. Suas histórias ficaram conhecidas no mundo todo, traduzidas em dezenas de idiomas. 

Na entrada da cidade tem o maior Pinóquio do mundo, feito em madeira, com 16 metros de altura.

O caminho do parque segue por entre árvores, ilustrados com os eventos narrados nas histórias, com os seus personagens. Na minha opinião ficou a dever.  O parque não está bem cuidado, poucas atrações e o pior de tudo é que os personagens da história são de lata, várias já corroídas pelo tempo.

 

No Parque tem labirinto, parque infantil com a bandeirinha do Brasil, teatros, a casinha da fada e os brinquedos normais de criança. Os 3 ou 4 palcos de teatros estavam inativos, que pena, como poucos frequentam, os atores foram dispensados.

 

 

As maquetes que contam a história do Pinóquio em tamanho pequeno e a oficina do Gepeto, um pouco maior melhoram um pouco a atração.

 

Uma sala interativa que conta todo a a historia do autor, dos livros e dos personagens é a melhor parte do Parque.

Tem uma marcenaria onde ainda fabricam Pinóquio para venda na lojinha do parque e em algumas lojas da cidade.  Fabricam os bonecos originais, com certificado de garantia  e com o gorro branco, cor original na história. 

Seu gorro é branco por que o Pinóquio não gostava de levar o lanche, então o Gepeto fez o gorro de pão para que, se ele tivesse fome, poderia come-lo.

Os chineses são os grandes concorrentes do artesanato da cidade, no entanto, as replicas autorizadas só podem ser feitas com o gorro vermelho. 

Quase não vimos turistas na cidade, em compensação, as cidades maiores da região faturam em cima do boneco de madeira, vendendo suas réplicas.