//36 – NICE – FRANÇA

36 – NICE – FRANÇA

 

Seguindo para Nice, notamos uma festa e paramos para conhecer. Fantástico, emocionante, lindo.

 


A festa era medieval e tudo era de uma originalidade fantástica. Quando digo originalidade é por que quase tudo que tinha na festa era realmente medieval.


Bandas e músicas da época estavam por todos os lados, num verdadeiro espetáculo a céu aberto, tocando músicas muito alegres.

 

 

Pessoas vestidas a rigor, comida típica da época, instrumentos, roupas, armas, artesanato, cabanas e lutas com espadas e armas medievais preservadas da época ou ainda fabricadas como na época.

 

O acervo original na festa é algo muito valioso, emocionante de conhecer. Pegamos em peças, tocamos instrumentos e Ade vestiu roupas e tirou fotos com os medievais.


Tinha gente tecendo lã, fazendo peças de cerâmica, fazendo corda de sisal, costurando, esculpindo na madeira, bordando e pintando. Realmente foi um achado que nos emocionou.

Para não perder o hábito, Ade visitou as tendas de roupas que estavam a venda, imaginando nossa princesa Sophia com aquelas roupas de castelo.


Por todo lado estavam pessoas caracterizadas e as roupas pareciam ter saído do baú ou viajado pelo tempo. Algumas tão originais que até a sujeira estava reproduzida, ou preservada.

Observando algumas pessoas e suas vestes, ficamos a pensar: Será que não viajamos no tempo?

 


Até as moradas foram reproduzidas e enquanto dura a festa eles dormem em suas cabanas.

 


Um livreiro, também vestido a caráter, vendia obras com temas da idade média.

No meio do acampamento medieval, um rapaz desfilava com dois lobos seguros por correntes, como se fosse normal andar com lobos no meio das pessoas. Tudo bem, os lobos são amestrados.

Saímos da festa, voltando para 2.014, meio que querendo ficar, mas haviam outros planos e seguimos viagem.

 Pelo caminho, em alguns lugares a beleza esbanjava e insistia para nossa parada.

 

 

 

As pequenas cidades nesta região são encantadoras. Era domingo e, em quase todas acontecia uma feira regional, mas não dava para parar em todas. Em algumas a parada foi inevitável. 

Em uma delas, estacionamos e fomos passear a pé, conhecer o museu, a igreja e a feira com produtos regionais.
Tinha um senhor assando uma comida, com fila para comprar e nós fomos experimentar a Socca, uma panqueca meia sonsa. Mais ou menos, mas estava quentinha.

 

 

A cada praia dava vontade de ficar. Depois de um tempo de viagem, notamos que quase todas as praias não eram de areia e sim de pedras.

 

O litoral, em algumas cidades, tem uma estrutura excelente, com calçadões, ciclovias, largas avenidas e belas obras da arquitetura. Até a bandeira do Brasil estava hasteada.

 

 


Chegamos em Nice, andamos com a carrinha para conhecer um pouco e paramos em um estacionamento, em frente ao mar, com sinalizadores de vagas, limpeza impecável, som ambiente, banheiros limpos e uma hora grátis. Depois da primeira hora, paga-se 5 Euros a cada duas horas.

A cidade nos encantou já na primeira praça.

 

O transporte com ônibus elétricos, como em várias cidades pela França, embelezam ainda mais a cidade.

 

Andando um pouco mais encontramos dois enormes espaços, tamanho de um campo de futebol, com espelhos d`água, mais bonitos ainda do que em Bordeaux.

Os espelhos d`água é uma invenção fantástica, diverte a todos, refresca e embeleza a cidade. Crianças e adultos estampam alegria brincando no vapor e nos jatos que brotam do chão.

Fico imaginando como seria oportuno a construção de um destes em frente ao Palácio do Governo em Curitiba ou em qualquer um dos nossos belos parques ou em todos. Seria muito bem vindo.

 

 

 

Em Nice, os espelhos d`água ficam em uma praça cumprida, com muita sombra, jardins floridos e, onde as pessoas ficam sentadas no jardim a grama é sintética.
Os bancos e brinquedos são de madeira, ricamente construídos e muito práticos para crianças e adultos.
Alguns bancos tem até mesinha de centro.

 

 

A arquitetura em Nice chama a atenção pelo estilo antigo. Os prédios são coloridos e cada um mostra detalhes que enriquece o conjunto arquitetônico urbano.

 

 

Nice é uma cidade habitada pelo ser humano há 400 mil anos, conforme vestígios arqueológicos encontrados. A cidade foi fundada há 2.300 anos, pelos gregos e recebeu o nome de Nike, a deusa da vitória. Com as traduções, hoje é conhecida por Nice. 

A cidade já foi independente, pertenceu a Itália e finalmente conquistada pela França.

Por onde passamos, na parte central da cidade, reparamos que, alem das águas do Mediterrâneo com praia de pedras, existem várias fontes que jorram água nas praças e monumentos.

Novamente pelas belas estradas, rumo ao Principado de Mônaco.